Pular para o conteúdo principal

Sexta à noite


Bota cano longo acima do joelho, com um salto altíssimo. Uma saia preta, colada no corpo, há dois palmos do pecado. Batom vermelho, lápis preto nos olhos. Duas argolas de prata gigantes em cada orelha. E um olhar de quem está com fome, muita fome. E foi com essa fome que o encostou na parede e o beijou no pescoço. Caminhava de uma orelha até a outra com a língua e as mãos deslizavam tórax abaixo. Se virou rebolando na cadência de uma música que tocava em algum apartamento distante. Ele gemia. Passava as mãos pela barriga dela subindo até o peito coberto por um top também preto. Uma tigresa, pensou. Ela, ainda de costas descia até o chão. Naquela mesma cadência olhou para cima, sorriu e feito felina começou a engatinhar enquanto a saia curta ia subindo revelando a bunda sem calcinha e uma marquinha minuscula de biquíni. “Vem”, ela disse olhando por cima dos ombros. Ele, salivando de vontade começou a tirar sua camiseta branca e desabotoar a calça jeans enquanto ela parava no meio da sala e arrebitava a bunda o mais alto que podia, e com uma das mãos começava a mexer na boceta já encharcada. Enfiava um dedo, logo depois dois e em seguida lubrificava o cu. Ele olhava aquele corpo de bailarina, aquela poesia tatuada na costela e sentia-se em uma das fotos de Gordon Denman. Chegou mais perto, ajoelhou-se e lambeu cada dobra daquela carne. Comeu, com voracidade, usando a língua, cada pedaço daquela boceta. Ela gemia e rebolava no rosto dele. E com uma das mãos ele deu um tapa forte e firme na bunda dela. Gemeu alto, olhou mais uma vez por cima dos ombros e disse: “bate, bate na minha bunda que eu gosto”. E ele batia e ela gritava. E de pau duro, enfiou naquele cu que minutos atrás piscava a cada investida de sua língua, e foi recebido com toda intimidade permitida. Ela gemia sentindo-se preenchida enquanto o saco fazia carinho em sua boceta e as mãos dele deslizavam pela sua nuca...

Comentários

  1. ótimo jeito de começar uma noite de sexta...

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu estilo!!

    Esta adicionado nos meus favoritos!!

    adiciona meu link aqui no seu espaço tbem!!

    abçs!

    ResponderExcluir
  3. oi,
    obrigada pela visita.

    seguindo vc - um beijo...
    até!

    ResponderExcluir
  4. Como vc mesmo disse, bem picante msm.
    é vc que inventa as história?
    Escreve mto bem.
    Gostei do blog. Estou te sguindo!!!

    Inté :*

    ResponderExcluir
  5. afffff ando muito carente de sexo pra ler esse tipo de coisa...
    vontaaaaade

    ResponderExcluir
  6. Percebo, pois,
    que a OUSADIA
    por aqui, prevalece;
    e disso, agrado-me,
    pois, a ousadia
    é o que envaidece!

    Estou a segui-lo;
    adorei seus palavreados profanos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A menina que dança

Na dança gosta que a levem, o ritmo é o parceiro quem dita. E na cama também. Apesar de não fazer muita distinção entre um e outro, pra ela é tudo a mesma coisa – cama e dança – ou tudo está tão entrelaçado que se confunde. Na dança, e na cama, quem conduz os passos é o outro e ela, na malemolência, se deixa levar. O conheceu num desses recantos da Lapa. E não é que gostou da pose do rapaz? Mas já tinha decidido tirar um ano sabático. Nada de sexo. Mas ele quis leva-la logo pra onde? Forró! Ponto fraco da menina que dança. E não tinha como dizer não. E foram. E no meio daquela dança toda fingiu que nem notou as encoxadas mais audaciosas. Se deixou levar, fechou os olhos, descansou a alma e o corpo foi quem falou. E o rapaz que não era bobo nem nada aproveitou o molejo da menina e a beijou na boca. Salivas bem divididas. O encaixe com sintonia fina a fez amolecer. Ano sabático que nada. Queria mesmo era continuar aquela dança na cama, na sala ou até num chão duro de calçada. A saia cur…

Nado sincronizado

A saia curta e de tecido leve facilitava o trâmite entre os dedos da mão dele e a umidade da calcinha dela. O carinho começava sutil, despretensioso, quase sem querer. O gemido ainda era suave, silencioso, denunciado apenas pela boca entreaberta e a respiração ligeiramente ofegante. As vezes, mas só as vezes pra não da muita bandeira, o lábio inferior era assediado pelos dentes superiores, que famintos mordiscavam-o. A sala de projeção já estava com as luzes apagadas. Ele olhava para tela enquanto sua mão, pesando sobre a coxa dela, buscava o limite da calcinha, aquele limite que separa a dúvida da excitação da certeza que é logo confirmada pela boceta que inunda enquanto os dedos mergulham fundo. Nado sincronizado com o indicador e o médio. E aquele gemido abafado o deixava louco...


www.zuzazapata.com.br

Imagino-me

Olhar sua bunda me deixa louco. Imagino-me tocando, apertando, beijando esse rabo volumoso. Jogando-te na cama e abrindo as suas pernas o máximo possível e enfiando minha língua na sua boceta que na minha imaginação é grande e totalmente sem pelos. Deslizando meus lábios até seu cu e depois chupando com força seu grelo. Rebolando minha língua no clitores duro e babando sua boceta toda. Imagino-me virando-te de costas e roçando minha barba pela sua nuca, descendo pela coluna, chegando a sua bunda, onde daria uma mordida e um tapa estalado. Abriria bastante para poder olhar com precisão seu cu - que tenho certeza que piscaria para mim. O toque do meu dedo polegar invadindo e explorando seu cu faria você se arrepiar toda. E seu gemido me deixaria louco. E enfiaria dois dedos bem fundo na sua boceta toda molhada. E roçaria meu rosto nas suas coxas para você sentir o pinicar da minha barba por fazer. Nessa hora você agarraria com força o travesseiro e soltaria um gemido alto e abafado. C…